quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Ética ou corporativismo?

É preciso não confundir ética profissional com corporativismo.É muito importante que dentro de um grupo ou classe profissional exista ética, mas ela não pode ultrapassar os limites do certo e errado, não é porque eu tenho ética profissional , que posso esconder ou impedir o acesso à informações que sejam relevantes ou de interesse de pessoas que não fazem parte do meu círculo específico de trabalho, ou seja, se esta informaçao é imprescindível para realizar um estudo, investigação ou qualquer ato que seja de importância a terceiros, tenho o dever de informar, sob pena de estar sendo corporativista, escondendo algo que mesmo sabendo ser de suma importância a outra pessoa, e em detrimento desta, esconder e até proteger um colega de profissão, sabendo que agiu errado, ou não teve conduta digna da profissão. Veja que a situação é muito delicada, geralmente as pessoas escondem os fatos, achando que agindo assim estão se defendendo também, pensando que esconder um ato de um colega de profissão, pode no futuro lhe ser útil no caso de uma  situação semelhante venha acontecer com ele mesmo, não sei se estou sendo clara, mas acho que dá pra entender, geralmente vemos os casos de ética profissional serem usadas por polícias, médicos, advogados, juízes, promotores, e outras profissões de repercusão pública. Então é isso, a ética é primordial, para que tenhamos normas e formas de agir dentro de cada profissão, mas é perniciosa quando usada para esconder situações, que sabemos poderiam ser resolvidas se não fossem escondidas pela ÉTICA PROFISSIONAL, que deixa de ser ética e torna-se CORPORATIVISMO PROFISSIONAL
http://1.bp.blogspot.com/_oGRzudP0lUM/TFwQBjuIFHI/AAAAAAAAABs/mzOyLVepK8o/s1600/etica-medica-2.jpgA algum tempo atrás , num dos momentos que estava e ainda estou, procurando respostas para meu caso, entrei numa comunidade do orkut denominado "Relação Médico e Paciente". Lá postei o seguinte:



13/09/10- Márcia
Ética ou corporativismo?
Fiz uma cirurgia de grande porte, fiquei internada três meses e enquanto estava hospitalizada NINGUÈM do hospital, nem mesmo meu medico me disse que eu tinha sido vítima de infecção hospitalar.
Até hoje não se fala desse assunto. Peguei meus prontuários e la estava tudo registrado.
Realmente sou uma sobrevivente e, no entanto precisei sair, me desvincular totalmente do hospital para outros profissionais da área me falarem mais abertamente o que esta acontecendo comigo.
Já quase perdi um rim de tanto medicamento e terei que fazer mais uma cirurgia para retirada de cistos (que os médicos dizem ser abscessos decorrentes da infecção) que esta entre os músculos ilíacos na região da minha cirurgia ( lombar).
Percebo que só fui me dar conta da gravidade do acontecimento (me refiro ao silencio em conjunto de um hospital renomado de São Paulo) depois de quase um ano apos a primeira cirurgia, depois de muitas idas e vindas ao hospital, permanecendo mais da metade de um ano internada de tantas dores. Dores essas que eles disseram ser da minha cabeça.
Sinto-me uma ingênua por ter confiado cegamente em profissionais que antes de qualquer coisa pensa no seu salário, já que TODOS eram e continuam sendo funcionários do hospital.
Para ter uma opinião melhor precisei sair de São Paulo, pois aqui os médicos só me disseram que tinha que voltar ao hospital onde tudo começou.
Quando vc perde a confiança como vai voltar ao hospital, como vai procurar médicos que tentaram esconder a veracidade do sofrimento.
Peguei infecção de alto grau, corrente sanguínea e órgãos, nem mesmo a bomba de morfina tirava minhas dores.
Hoje sou empurrada de um profissional para outro. Hoje mesmo me mandaram para um cirurgião geral, mas já dizendo que posso precisar de junto um neurocirurgião e cirurgião gastro.
SOCORRO, já não sabem diferenciar Ética de Corporativismo!

No dia 14/09/10 tive a seguinte resposta de alguém denominado Cláúdio M
Quando a pessoa se submete a um tratamento cirúrgico, QUALQUER que seja ele, existem inúmeros riscos inerentes ao procedimento, e dentre eles a infecção é um que pode acontecer, com QUALQUER paciente, em QUALQUER hospital.
Eu não entendi sua colocação. Qual a relação entre a infecção referida por você e o corporativismo?

E no mesmo dia escrevi:
Quando a pessoa se submete a um tratamento cirúrgico, QUALQUER que seja ele, existem inúmeros riscos inerentes ao procedimento, e dentre eles a infecção é um que pode acontecer, com QUALQUER paciente, em QUALQUER hospital.
Sei que ninguém acordou e disse: Hoje vou colocar uma bacteria dentro do corpo de fulana.
Mas deveriam arcar com as consequencias, pois como vc mesmo falou, todos , inclusive os profissionais da area sabem do risco.
Me refiro ao silêncio em conjunto do hospital e médicos.

Ate o dia de hoje ninguém desta comunidade se pronunciou e continuo com minha indagação.
Numa comunidade que pensei  obter alguma resposta, o que encontrei foi um silêncio que ecoa sem parar: "CORPORATIVISMO".


http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=8344132&tid=5516301367592201120&kw=%C3%A9tica+e+corporativismo



Um comentário:

  1. Neste endereço é possível ter uma visão mais ampla sobre corporativismo: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-76382008000100028&script=sci_arttext

    ResponderExcluir